21 de agosto de 2013

A Marta sabe nadar yoooooo!

Quando acordei pensei “vá, Marta, prá frente com isto, pá! Levas o fato de banho por baixo e só te descascas se te sentires à vontade.”

Pelo sim pelo não, pintei as unhas dos pés. Depilei-me (a palavra é feia mas não há outra). As pernas estavam cor de leite. O tronco, cor de café. Tentei não pensar muito nisso.

Praia do Alvor. Estava cheia. E era enorme. O local era novo para mim, mas isso, de alguma forma, tranquilizava-me.
 
O sol estava a escaldar. Quando estacionamos o carro reparo em rampas por todo o lado. Estava definitivamente numa praia acessível. Passo o bar, vejo que tem wc, faço o passadiço e chego ao areal.

À esquerda chapéus de palha, à direita chapéus de palha. Em frente, uma tenda grande. Alguém nos informou de que era ali que nos devíamos dirigir. Foi o que fizemos. Eu, a mana, a mãe e a Carlota.
 
Dentro da tenda, algumas pessoas de cadeira de rodas, com os respectivos acompanhantes. Em linguagem de surfista, eram os locals. Rapidamente me explicaram como tudo se processava.
 
Vejo o monitor, rio-me para ele, ainda meio envergonhada. Nilson. Um italiano que foi viver para o Brasil com 3 anos e que já tinha andado a trabalhar pela Europa e por África. Bem-disposto, pergunta-me o nome, respondo “Marta”. Depois, se quero ir ao banho. Foi quando tremi por dentro, o estômago encolheu. Não o fazia há mais de 20 anos. Por um lado, porque as praias que sempre frequentei não tinham tiralô e, muitas vezes, mar suficientemente calmo. Mas, essencialmente, porque com o tempo me tinha desabituado de estar “despida”. Sentia-me demasiado exposta.

Pensei “cum caraças, se não for agora, não é nunca. Não conheces ninguém, todos aqui estão/são como tu, és apenas mais uma.” Respirei fundo e disse “mana, passa-me os calções de banho…”. Ela nem queria acreditar. Eu sei que estava igualmente nervosa só que não queria demonstrar. Mas feliz por mim. Ela e a mãe, que estava ainda meio incrédula.

A Carlota correu a besuntar-me com protector total. À pressa, porque queria ver-me no mar. "Quero ir lá para dentro contigo."

1, 2, 3, e, quando dei por mim, já estava sentada no tiralô. Um carrinho anfíbio, amarelo e azul - que de discreto nada tem. E lá fui eu, pelo trilho que me levava até ao mar. Alguns olhares curiosos, deitados nas toalhas. Aliás, muitos. Fingi não reparar. Concentrei-me apenas no mar, que estava cada vez mais perto. Uma piscina. Um postal perfeito. Parámos muito perto. O monitor olha para mim e faz-me sinal com a cabeça, como quem me pergunta “estás preparada?”. Também acenei com um “sim, estou, vamos a isto.”
 

Fomos entrando no mar. Já a flutuar no tiralô, pergunta-me se sei nadar. Respondo que sim, e que queria experimentar ali, no mar. Riu-se, afundou o carrinho e fez-me sinal para ir. E eu saí mesmo. Fui. Mesmo.

No areal, senti uma multidão a seguir-me com os olhos. Como a Carlota dizia “parece um programa da TVI, pá!” Virei-me de costas, olhei para o mar e pensei: já está. 20 anos depois, estava no mar outra vez. Com as ondas a enrolarem-se no meu corpo. Com o sal a ficar-me na pele. Com o sabor da água salgada nos lábios. A entranhar-se como quando tinha 17 ou 18 anos. Com a mesma intensidade. Se calhar com mais ainda, porque o meu corpo pedia-me aquilo há algum tempo.

Quando “desço à terra” percebo que as minhas miúdas estavam a aproveitar cada minuto. A Carlota sempre em cima de mim a dar-me beijos e abraços. A mana a tirar fotos. Depois guardou a máquina e enfiou-se comigo dentro de água. A mãe começou por ficar à beira da água, a tentar disfarçar o salgado das lágrimas com o salgado do mar. Depois juntou-se a nós.

Nadei, nadei, nadei. Tanto…No primeiro dia com os olhos dos monitores (no banho seguinte conheci também o Cristiano, um miúdo novo, giro, bonacheirão, com sentido de humor apurado) sempre em cima de mim. No segundo dia já me deixavam sozinha na água, sem tiralô, apenas com a minha família. Tinham percebido que eu me aguentava bem sozinha e que gostava de estar independente. Mas, mesmo dando-me a independência, nunca deixaram de ter um olho em cima de mim.

Gostava de o conseguir fazer mas a sensação de voltar a nadar não se descreve. Porque tudo o que possa dizer para caracterizar este momento seria reduzi-lo apenas a isso mesmo, um momento. E este regresso foi muito mais do que isso.

Desde miúda que praia, nadar, mergulhar, sempre foi um prazer. Sinónimo de liberdade. Com o tempo, e devido a algumas circunstâncias da vida, deixei de o fazer. Esta semana, mais de 20 anos depois, retomei. E prometo que não vou voltar a deixar escapar momentos destes.

As últimas palavras são de agradecimento profundo e vão directamente para o Nilson e para o Cristiano. Dois miúdos fantásticos que me fizeram esquecer a pele branca, a timidez, e que me ajudaram a voltar a sentir a sensação de liberdade que só o mar proporciona. Obrigada aos dois, ganharam um espaço no meu coração.

 

12 comentários:

  1. Muitos parabéns Marta!

    Se para mim o primeiro mergulho do ano é sempre espectacular a tua experiência deve ter sido realmente mágica. E agora é tentar cumprir o teu desejo e voltar a repetir sempre que der...

    Até ao próximo. :)
    Bruno

    ResponderEliminar
  2. menina, nunca imaginei que estivesses há tanto tempo afastada do mar, mas só porque para mim era evidente que ias conseguir :P aliás está a escapar-me o teres esperado :D :D

    mas agora diz-me uma coisa, nem por um momento pensaste: o raio da água está gelada!!!!! :D :D

    beijinhos e bons banhos

    ResponderEliminar
  3. Sabes por que me custa um pouco ler o teu blogue? Porque vez sim vez não acabo por ficar com os olhos rasos de água com a tua escrita - toca muito cá dentro, talvez por sair tão de dentro de ti. E homem que é homem não anda para aí a ficar de lagriminha no canto do olho, mesmo que disfarçada :-)

    Beijinhos e continua!

    ResponderEliminar
  4. Esta crónica é a marca mais intensa do Verão 2013.Para mim e decerto para todos os que são mesmo amigos.Para recordar muitas vezes e por muito tempo.

    ResponderEliminar
  5. Hoje, em casa do meu pai, na estrada de Alvor (praia que frequento), abri as Seleções de Setembro, acabadinhas de chegar, dei de caras com a tua história e fiquei 'esmagada' por tamanha determinação, coragem e alegria! És um exemplo para todos, principalmente para quem se queixa por tudo e por nada (categoria onde eu própria me incluo, nalguns dias...)!
    Fiquei feliz por saber que o teu regresso ao mar se deu na 'minha praia'. Que as sensações que tão bem descreves te acompanhem sempre e, se voltares para o ano, faço questão de te ir cumprimentar!
    Tudo de bom!

    ResponderEliminar
  6. Olá! Ainda não li a entrevista:), vou comprar e ver amanhã! E faz isso mesmo: se eu estiver por lá, vem cumprimentar-me!
    Um bjinho!
    (para o ano vou mesmo ver se encontro uma casa em conta aí nessa zona. Adorei...! Se souberes de alguma avisa-me! Estou no facebook como Marta Guimarães Canário.)

    ResponderEliminar
  7. ♥'ssssssssssssssssssssssssssssssssss :)

    ResponderEliminar
  8. Olá Marta:
    Acabei de ler a sua história na revista das seleções, fiquei maravilhada com a a sua força e coragem. Obrigada por me ajudar a pensar quão importante é viver o presente com gratidão e alegria. Vou partilhar a sua história com os meus quatro filhos e as três centenas de alunos que me esperam neste mês de Setembro, sou professora de EMRC. Obrigada pelo seu testemunho. Um abraço Maria do Céu Brito - Lamego

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada por partilhar! A ideia é mesmo essa. QUanto mais longe chegar, melhor:) Um beijinho!

      Eliminar